Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.


Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.

Mozila Firefox Google Chrome

Mozila Firefox Google Chrome

Quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Produtor brasileiro fica mais perto do Oscar com Me Chame pelo Seu Nome

Compartilhar:  

Rodrigo Teixeira está mais perto do Oscar. Por meio de sua produtora internacional, a RT Features, ele produz Me Chame pelo Seu Nome e o longa do italiano Luca Guadagnino ganhou, na segunda-feira, 27, à noite, em Nova York, o Gotham Independent Film Award. Nos últimos anos, o Gotham tem sido indicador para o prêmio da Academia. Quem ganhou no ano passado? Moonligh – Sob a Luz do Luar. Em 2015? Spotlight – Segredos Revelados. E em 2014? Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância).

Não é mera coincidência. Já faz algum tempo que o vencedor do Gotham Award vence também o Oscar. O Gotham concorre com o Spirit Award como espelho do melhor da produção independente dos EUA. Em fevereiro, a RT venceu o Spirit de melhor filme de diretor estreante com The Witch, A Bruxa. Rodrigo Teixeira fecha agora o ano vencendo o Gotham e, além do troféu de melhor filme, Me Chame levou também o de ator revelação para Timothée Chalamet.

Quando conversou com o Estado, pelo telefone, Teixeira admitiu que ainda estava exausto. Muita emoção, mas também um tanto de cansaço físico. O prêmio de melhor filme foi o último a ser anunciado e a cerimônia do Gotham durou cinco horas. Cinco! Ele subiu ao palco com Guadagnino, que em seu discurso não fez referência ao tema – a ligação de um garoto com um homem maduro. “É um tema que o Luca trata com muita delicadeza, mas não estamos insistindo para evitar polêmica.” A Sony, que distribui Me Chame pelo Seu Nome – e lança o filme no Brasil em 18 de janeiro –, está fazendo um belo trabalho de divulgação para o Oscar.

E como é para Teixeira, um cinéfilo de carteirinha, obter esse reconhecimento na ‘América’? “Não vou dizer que não me emociona porque não é verdade. Tenho estado em contato com pessoas a quem admiro e que me reconhecem como um igual. Isso realmente não tem preço. Tive uma segunda-feira aqui em Nova York daquelas de me beliscar, para ver se estava ocorrendo de verdade. Tomei o café da manhã com o diretor de A Bruxa, Robert Eggers, depois me encontrei com o Brian De Palma, visitei o novo set do (Martin) Scorsese e, à noite, estava no Gotham.” Teixeira distribuiu no Brasil o documentário sobre De Palma. Algum projeto com o diretor de Carrie, a Estranha? “Nada concreto, mas estamos conversando.”

Scorsese é seu parceiro na produção de La Ciambra, que concorre pela Itália a uma indicação para o Oscar de filme estrangeiro. Teixeira visitou o set de The Irishman, que marca seu retorno à máfia, por meio da história do mafioso Frank Sheeran. “Cara, era uma cena com Robert De Niro e Al Pacino, que sempre foram meus ídolos.” Depois, à noite, Dustin Hoffman estava no Gotham com a Nicole Kidman. “Tudo isso me parece um sonho de cinéfilo.”