Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.


Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.

Mozila Firefox Google Chrome

Mozila Firefox Google Chrome

Sexta-feira, 22 de junho de 2018

Como ver os jogos da Copa na firma sem perder a elegância nem o emprego

Compartilhar:  
É fato: se tem um evento que consegue mudar a rotina dos brasileiros, é a Copa do Mundo. Seu apelo é tanto que mesmo quem não se interessa por futebol se envolve com a competição. Até o ambiente de trabalho se contamina com o clima, e muitas empresas se aproveitam disso para promover momentos de interação e descontração para os funcionários.

No ambiente corporativo, dá para organizar apostas e competições entre os setores, organizar happy hours, etc. Alguns funcionários podem formar um comitê e dar conta da programação, ou até mesmo as áreas responsáveis pelas pessoas podem se encarregar. Uma opção é preparar um espaço para o time assistir às partidas.

A Resultados Digitais, focada em soluções para Marketing Digital, vai aproveitar seu lounge para transmitir os jogos que acontecem durante o horário de trabalho, explica Camila Carvalho, recrutadora de talentos. Para contribuir com o clima: pipoca, vuvuzelas e cornetas. “Os RDoers poderão também trazer suas próprias comidas e bebidas, ou ainda, alinhando com seus gestores, assistir os jogos em casa”, completa.

Muitas vezes, a Copa do Mundo nas empresas pode envolver, ainda, flexibilização do horário de trabalho. É o caso da consultoria estratégica Boston Consulting Group (BCG), que também apostou em decoração representando todas as nacionalidades para reforçar o ambiente multicultural e representar torcedores de todas os times, contam Meire Pinheiros, diretora de RH e Nanci Bertani, coordenadora de recrutamento.

Para os profissionais, cabe tirar o máximo proveito das atividades se adequando às possibilidades que a companhia oferece. Está com dúvidas? Confira nossas dicas! Copa do mundo na empresa: etiqueta do profissional torcedor 1. Dia de jogo não é feriado

Dia de jogo não é feriado. Embora algumas empresas flexibilizem o expediente para que todos possam assistir às partidas do mundial, isso não é regra.

Se a empresa já tem uma política de flexibilização de horários, a exemplo do BCG, tudo bem conversar com o gestor. Mas, se não é o caso do seu local de trabalho, evite. A atitude pode ter um impacto negativo entre os próprios colegas. 2. Posso assistir aos jogos do Brasil e de outras seleções durante o expediente?

Empresas que têm sala de descanso, refeitórios ou outros cômodos com televisão podem permitir que os funcionários vejam os jogos. Se esse for o caso, vale o bom senso na hora de escolher que momentos acompanhar.

No geral, observe as regras da empresa sobre o assunto, já que muitas não permitem que o funcionário use o computador com essa finalidade. 3. E mesmos nestes casos, escritório é escritório, e não bar

É importante se lembrar que, mesmo ao assistir à transmissão, o colaborador está no ambiente do trabalho, e não no sofá de casa. Por isso, palavrões, comemorações exageradas e provocações não são bem-vindas.

Da mesma forma, tome cuidado com vestimentas comemorativas e acessórios, principalmente os que fazem barulho – como apitos e vuvuzelas. A não ser que a instituição incentive esse nível de descontração, como a RD. 4. Rolou confraternização e depois terá meio expediente?

Bom senso aqui também. Vale a mesma regra de qualquer almoço ou café – se você for voltar às atividades profissionais, não tome bebidas alcoólicas.

Tenha o cuidado de se concentrar quando voltar ao trabalho, não se distraia (ou distraia os colegas) falando sobre os jogos. Depois da partida, o foco é 100% nas suas atividades. 5. Não gosto de futebol e não quero assistir nada com meus colegas. E aí?

São duas possibilidades: ou o evento será encarado como uma programação para toda a equipe — neste caso, o mais recomendável é acompanhar o grupo, mesmo que o profissional não goste muito de futebol — ou os colaboradores não se reunirão durante o jogo e serão dispensados. Se este for o caso, pode ir assistir Netflix!

  • Este artigo foi originalmente publicado pelo Na prática, portal da Fundação Estudar