Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.


Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.

Mozila Firefox Google Chrome

Mozila Firefox Google Chrome

Terça-feira, 02 de janeiro de 2018

Hamilton diz que as corridas pioraram em 2017 e pede que dirigentes da F1 ouçam voz dos pilotos: Deveriam falar conosco

Compartilhar:  

© Fornecido por Grande Prêmio

Lewis Hamilton viveu um grande 2017. Mas o agora tetracampeão encerra o ano não tão satisfeito assim com a F1 como um todo. Apesar de estar feliz com os novos carros, que exigem muito mais do talento dos pilotos, Hamilton lamenta que uma das suas previsões tenha se confirmado e disse que a qualidade das corridas piorou nesta temporada. O britânico fez queixas aos dirigentes que comandam o esporte e pediu que os pilotos tenham voz ativa. E ainda mandou um recado à FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

 

Em entrevista à emissora BBC, Hamilton afirmou que o novo regulamento técnico, adotado em 2017, trouxe aspectos bons. E outros nem tão bons assim.

“Foi um passo no rumo certo. Mas a regra trouxe exatamente o que eu esperava: corrias piores. Os novos carros foram um grande passo no rumo certo porque são muito mais divertido. Seria bom dar outro passo e recuperar parte do barulho [do motor]”, clamou.

Quanto ao desempenho dos novos carros, bem mais rápidos que a especificação anterior, Hamilton só tem motivos para elogiar. Mas a F1 precisa caminhar alguns bons passos para ser um esporte melhor. E a mudança, na sua visão, tem de partir de quem comanda o negócio.

 

“Os carros têm grandes qualidades, mas temos de melhorar várias coisas. Nesta temporada foi mais difícil acompanhar outros carros. Eles [os dirigentes] sabem quais são os problemas. Deveriam falar conosco”, disparou.

“A maioria desses dirigentes jamais pilotou um carro de F1. Não sabem porque é tão difícil ultrapassar. Mas também são muito preparados e sabem coisas que nós não sabemos”, ponderou.

Por fim, Hamilton criticou o que tem sido um dos recursos adotados pela FIA para aumentar a segurança nos circuitos: as áreas de escape asfaltadas. 

“A FIA tem feito um trabalho fantástico, mas eles têm de deixar de usar essas áreas de escape. Não teríamos o recurso de cortar uma curva. Nos tempos idos, se você errava, então perdia tempo. Agora você pode percorrer uma curva sabendo que pode escapar uns 5% e não você não perde tempo. E não gosto disso”, finalizou o tetracampeão.

MSN