Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.


Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.

Mozila Firefox Google Chrome

Mozila Firefox Google Chrome

Sábado, 06 de janeiro de 2018

Chefe da Mercedes traça metas e diz que Bottas precisa entrar na luta pelo título em 2018

Compartilhar:  

© Fornecido por Grande Prêmio

A temporada nem começou, mas a Mercedes já estabeleceu metas para Valtteri Bottas. E quer ver o finlandês na briga pelo título em 2018. O chefe da esquadra alemã, Toto Wolff, deixou claro que deseja ver um Bottas mais forte no segundo carro a bordo do carro prateado.

 

Bottas desembarcou na Mercedes depois de ter sido escolhido para substituir Nico Rosberg, que decidiu deixar a F1 após a conquista do título de 2016. E na primeira temporada com os tetracampeões, o nórdico se mostrou bastante competitivo na primeira parte do ano, quando venceu duas vezes, mas sofreu uma queda de rendimento na segunda metade, só retomando o desempenho nas corridas finais. Valtteri, inclusive, fechou o campeonato com vitória, em Abu Dhabi.

No fim, o piloto terminou o Mundial na terceira colocação, com três vitórias e quatro poles, mas ficou a quase 60 pontos do companheiro de equipe, Lewis Hamilton. Ainda assim, Wolff entende que Bottas tem o que é preciso para apresentar uma performance mais consistente neste ano e entrar na briga pela taça do mundo.

 

"Isso é o que ele tem de fazer", afirmou o dirigente em entrevista à ESPN. "Nós vimos alguns bons momentos, como em Sóchi e na Áustria. Só que, depois do verão, Lewis voltou mais forte, enquanto Valtteri sofreu uma queda. Mas ele se recuperou no final da temporada e é um finlandês com uma forte mentalidade de não desistir nunca. Espero que ele volte forte com tudo o que aprendeu nesta temporada contra o melhor piloto da F1 atual", completou.

O austríaco ainda descartou que Bottas possa lançar mão de "jogos mentais" para tentar superar Hamilton. "Esse não é o estilo de Valtteri", garantiu. "O que ele quer é ser comparado a um quatro vezes campeão do mundo. Se ele puder desafiar Lewis, então terá lugar entre os maiores da F1. Mas se ele não conseguir, vai saber e não haverá desculpas", concluiu. 

MSN