Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.


Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.

Mozila Firefox Google Chrome

Mozila Firefox Google Chrome

Domingo, 04 de março de 2018

McLaren já planeja uma grande evolução aerodinâmica para início da temporada

Compartilhar:  
Apesar do bom desempenho na primeira semana da pré-temporada, equipe corre contra o tempo para usar logo pacote bastante revisado; parceria com a Renault recebe elogios

A primeira semana de pré-temporada saiu melhor do que a encomenda para a McLaren. Depois de três anos sofridos com a Honda, nos quais mal conseguia colocar o carro na pista nos testes, a tradicional equipe inglesa percorreu mais de 1.200 quilômetros em quatro dias em Barcelona. É verdade que a McLaren foi apenas a sétima equipe com maior número de voltas e ainda houve alguns problemas, como a roda solta de Fernando Alonso na segunda-feira e o princípio de incêndio com Stoffel Vandoorne na terça. Mas o modelo MCL33 mostrou velocidade e um bom potencial.

Apesar do começo promissor e de haver mais quatro dias de pré-temporada previstos, a McLaren já planeja uma grande evolução aerodinâmica para a a temporada, se possível já para a corrida de abertura, dia 25, na Austrália.

- Temos trabalho pendente, mas as primeiras reações do carro foram corretas e segundo nossas expectativas. Tudo, inclusive a aerodinâmica, vai segundo as nossas previsões. Até agora, tudo bem. Ainda não sabemos (se o novo pacote ficará pronto), levaremos coisas novas a quase todas as corridas, novos elementos para o carro. Estamos trabalhando em outro conceito aerodinâmico que chegará em algum momento, mas não sabemos quando - disse o chefe da McLaren, Eric Boullier.

Apesar de algumas preocupações relativas à refrigeração da unidade de potência da Renault, já que toda a montagem do carro é bem diferente em relação à fase dos motores Honda, Boullier tem se mostrado muito confiante na nova parceira. Isso apesar de a Renault fornecer motores para três equipes (além da McLaren, a própria equipe de fábrica da montadora e a RBR), enquanto a Honda trabalhava apenas com o time inglês.

- É difícil de comparar (Honda com Renault). Quando você é uma equipe (recebendo os motores), obviamente, tem mais pessoas aqui com você ou pode ter pessoas também indo para o Japão. Com a Renault, eles têm um sistema muito eficiente para discutir com todos os times, então é muito similar em várias formas. A configuração é muito semelhante no número de pessoas na pista, da forma como funciona na pista, não há muitas diferenças. A coordenação entre a Renault e todos os clientes é realmente bem feita, por isso é bastante fácil e eficiente - completou.

A McLaren tenta em 2018 quebrar vários jejuns. O time não vence uma corrida desde o GP do Brasil de 2012, com Jenson Button. Na mesma prova, a equipe registrou sua última pole position, com Lewis Hamilton. A McLaren também não sobe ao pódio faz tempo, desde a abertura do campeonato de 2014, quando Kevin Magnussen e Button ficaram em segundo e terceiro, respectivamente, na Austrália.

Por GloboEsporte.com, Barcelona, Espanha