Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.


Clique aqui e baixe o Mozila Firefox, é gratis.

Mozila Firefox Google Chrome

Mozila Firefox Google Chrome

Quarta-feira, 07 de fevereiro de 2018

Remédios para outras doenças podem tratar a febre amarela

Compartilhar:  

(Foto: Saúde/SAÚDE é Vital)

Pesquisadores brasileiros descobrem que alguns compostos disponíveis comercialmente serviriam de tratamento contra essa infecção
Podemos estar mais perto do que imaginamos de um remédio contra a febre amarela. Em vez de tentar desenvolver um tratamento do zero, pesquisadores doInstituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo, do Instituto Butantan (SP) e da Fundação Oswaldo Cruz (RJ), estudaram substâncias já disponíveis comercialmente – e encontraram opções promissoras para debelar essa doença.

Esse tipo de pesquisa funciona assim: a partir de uma espécie de biblioteca de compostos químicos desenvolvidos previamente, os cientistas testam um a um em laboratório para determinar quais teriam maior eficácia contra determinada doença. No caso da febre amarela, os experts brasileiros avaliaram 1 280 moléculas.

Para fazer isso, recorreram a aparelhos de última geração que analisam rapidamente como cada uma dessas partículas reage diante de células humanas infectadas com o vírus. Daquele total de 1 280 princípios ativos, eles chegaram a 88 que inibiam a infecção em pelo menos 50%.

Mas isso não foi suficiente. “Fizemos ensaios confirmatórios para a potência da atividade antiviral e da atividade contra a célula hospedeira”, explica o imunologista Lucio Freitas-Junior, coordenador do trabalho.

Traduzindo, os pesquisadores verificaram se tais moléculas seriam poderosas contra a febre amarela ao mesmo tempo que preservariam a célula humana. Ora, de pouco adianta encontrar uma arma que mata o inimigo se ela extermina você também, não é mesmo?

“No fim, selecionamos os compostos que eram ao menos dez vezes mais potentes contra o vírus em relação às células”, diz Freitas-Junior. De todo esse trabalho, sobraram cinco moléculas com bom potencial de serem usadas como antiviral contra a febre amarela. E um bônus: duas delas também parecem bloquear a ação do subtipo 2 da dengue.

Saúde é Vital