Sexta-feira, 26 de abril de 2019

Quem foi São Jorge, padroeiro da Inglaterra e motivo de feriado no RJ

Compartilhar:  

O Dia de São Jorge é o dia do santo padroeiro da Inglaterra, comemorado no 23 de abril de cada ano. Ele deve se tornar em breve também padroeiro do Estado do Rio de Janeiro, onde já é motivo de feriado, mas ainda falta a sanção do governador Wilson Witzel ao projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa fluminense no último dia 18.

Mas quem era o soldado matador de dragões chamado George (nome original em inglês) que se tornou o padroeiro de diversos países, estados e cidades?

"É praticamente certo de que ele era uma figura histórica real - provavelmente um soldado romano cristão chamado Georgios", disse Michael Carter, historiador da English Heritage.

Ele provavelmente nasceu na Capadócia, na Turquia, por volta de 270 a.C., e foi martirizado em Nicomédia, ou Lida, atualmente em Israel, na província romana da Palestina em 30 d.C., disse ele.

Em homenagem ao santo guerreiro, desde o início da manhã desta terça-feira, escolas de samba do Rio de Janeiro, como Estácio de Sá e Salgueiro, além de igrejas e catedrais da capital fluminense, fazem cerimônias para lembrar São Jorge. Também estão previstas procissões, missas, rodas de samba e até queima de fogos ao longo do dia, em diversos pontos do Estado, para celebrar a data. Como ele era?

"Ele é um santo glamuroso. Dizem que ele era muito bonito, montado em seu cavalo matando um dragão", disse Carter.

"Sua história é algo que cruza culturas e períodos", acrescenta o historiador. Ele representa honra, coragem e ele tinha associações reais e militares.

"Há muito em sua lenda que reflete os valores ingleses." Ele realmente é um patrono da Grã-Bretanha moderna, sendo bastante diversificado e internacional. E quanto ao dragão?

Esta história foi ambientada em Silene, na Líbia, que estava sendo aterrorizada por um feroz dragão do mar, de acordo com Candida Moss, professora de Novo Testamento e Cristianismo Primitivo da Universidade Notre Dame.

Jorge teria prometido ao rei que mataria o dragão caso todos fossem batizados na Líbia

"Os habitantes da cidade tinham, sob o comando do rei, dado seus filhos para serem devorados pelo dragão até que finalmente chegasse a hora de a própria filha do rei ser sacrificada", disse ela à BBC.

"Jorge, no entanto, interveio, prometendo ao rei que, se todos fossem batizados, ele mataria o dragão." O rei fez o que lhe foi dito, George matou o dragão e todos foram salvos.

A lenda traz ideias de incorporação do bem e do mal, e combate entre heróis e monstros, disse Carter. "É basicamente um arquétipo, o bem derrota o mal", explica o especialista. Como Jorge morreu?

O imperador romano Diocleciano havia ordenado a perseguição contra os cristãos, mas São Jorge se recusou a desistir de sua fé e fez um sacrifício aos deuses pagãos, disse Carter.

Antes de morrer, Jorge foi torturado, espancado, fervido vivo e até envenenado

"Algumas histórias dizem que ele foi torturado por sete anos durante os quais todas as formas de horror foram usadas contra ele", disse Carter. "Ele foi crucificado, torturado, espancado, fervido vivo e envenenado."

"A lenda diz que ele morreu três vezes e foi trazido de volta à vida por São Miguel, antes de ser, finalmente, decapitado." Por que ele se tornou o santo padroeiro da Inglaterra?

"Logo após sua morte, Jorge foi venerado como um santo, com um dia de festa no dia 23 de abril, o suposto dia do seu martírio", explica Carter.

Jorge também é padroeiro de Aragão, Catalunha, Geórgia, Lituânia, Palestina, Portugal, Alemanha, Grécia, Moscou, Istambul, Gênova e Veneza

Ele também é padroeiro de Aragão, Catalunha, Geórgia, Lituânia, Palestina, Portugal, Alemanha, Grécia, Moscou, Istambul, Gênova e Veneza - segundo São Marcos.

Após a Batalha de Agincourt em 1415, o Dia de São Jorge tornou-se um dos dias de festa mais importantes do calendário inglês, disse Carter.

"E em 1399 sua festa foi elevada a um feriado no mesmo nível do Natal", disse ele.

"Mas devido à formação da identidade nacional inglesa após a reforma protestante, os santos caíram em desgraça e não recuperaram seu significado."