Terça-feira, 11 de junho de 2019

Neymar pede mudança de local do julgamento sobre caso de transferência ao Barcelona

Compartilhar:  

Através dos advogados, Neymar solicitou à Audiência Nacional da Espanha nesta segunda-feira que o julgamento por supostos crimes de corrupção e fraude cometidos ao ser contratado pelo Barcelona, em 2013, seja realizado na capital catalã, e não no tribunal de Madri.

Também aderiram à solicitação os advogados dos demais acusados: o presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu; o seu antecessor, Sandro Rosell; o próprio Barcelona; o Santos e a NN, empresa da família do jogador.

 

 

A promotoria se opôs ao pedido e argumentou que a Audiência Nacional é competente para julgar o caso, já que há acusados espanhóis e parte da atividade criminosa investigada ocorreu fora da Espanha, no Brasil.

O pedido também contou com a oposição do advogado da acusação, exercida pelo fundo de investimentos DIS, que possuía parte dos direitos do jogador e que apresentou a denúncia por se considerar prejudicada na transferência de Neymar do Santos para o Barcelona.

O Ministério Público (MP) pede dois anos de prisão e 10 milhões de euros de multa para Neymar (hoje jogador do Paris Saint-Germain) e cinco anos de prisão para Sandro Rosell, que recentemente foi absolvido de lavagem de dinheiro - supostamente entregue em comissões pelo ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira - após ficar dois anos em prisão provisória.

A promotoria ainda solicita dois anos de prisão para o pai de Neymar e um para a mãe, ambos como supostos autores de crimes de corrupção nos negócios, acusação que também vale para o jogador, e uma multa de 1,4 milhão de euros para a empresa da família. No caso dos clubes, o MP pede 8,4 milhões de euros de multa para o Barcelona e 7 milhões para o Santos.

Já a DIS reivindica penas de cinco anos de prisão para Neymar, Neymar pai, Rosell e o atual presidente do Barça, Josep Maria Bartomeu, que não é acusado pela promotoria por esta operação.

O advogado de Neymar e do pai do jogador, Jesús Santos, disse que o julgamento precisa ser realizado em Barcelona porque alguns dos fatos supostamente aconteceram na cidade catalã. Ele lembrou que a Audiência Nacional já enviou à Audiência Provincial de Barcelona o julgamento do chamado caso "Neymar 1", que terminou em um acordo pelo qual o Barça foi condenado a pagar 5,5 milhões de euros por dois crimes fiscais na contratação do atacante, por isso a expectativa é que o mesmo critério seja seguido.

O advogado da NN alegou que em nenhum caso o julgamento pode ser de competência da Audiência Nacional porque no Brasil não está classificado o crime de corrupção entre particulares e não está regulada a responsabilidade penal das pessoas jurídicas.

Segundo a promotoria, Rosell, então presidente do Barça, chegou a um acordo com o pai de Neymar "com a intenção de ocultar o custo real do jogador", 83 milhões de euros, segundo foi descoberto posteriormente.

Quando a contratação foi divulgada, em 2013, "o Barcelona decidiu manter publicamente que a aquisição do jogador um ano antes do previsto custaria ao clube" os 40 milhões inicialmente pactuados mais 17,1 milhões pela aquisição dos direitos do Santos. A DIS recebeu 40% dessa quantia, no entanto "a quantia real da transferência dos direitos" chegou a 25,1 milhões, motivo pelo qual a promotoria considera que a empresa deve ser indenizada com 3,2 milhões. 

 

MSN