Domingo, 16 de junho de 2019

Projeto brasileiro para salvar o pirarucu é premiado nos EUA: 'Espécie fantástica', diz biólogo

Compartilhar:  
Pirarucu pode alimentar até quatro famílias, afirma biólogo — Foto: Arquivo pessoal

A preservação do pirarucu na Amazônia rendeu o Prêmio Rolex de Empreendedorismo a um biólogo brasileiro de Piedade (SP), em cerimônia realizada em Washington, nos Estados Unidos. O peixe com até três metros de comprimento e que pode chegar a 200 quilos é essencial para a economia e sobrevivência de comunidades à beira do rio Juruá, no norte do país.

O biólogo João Vitor Campos e Silva, de 36 anos, venceu a edição com outros cinco finalistas. Entre eles estão um neurocientista francês, um especialista em TI de Uganda, uma biólogo molecular do Canadá e uma conservacionista da Índia.

Os projetos devem ter foco em áreas como ambiente, tecnologia, saúde, ciência e exploração. Cada vencedor leva uma quantia em dinheiro para a aplicação nos trabalhos.

Em entrevista ao G1, o brasileiro conta que está na Amazônia desde 2008, quando terminou biologia no Paraná e viajou para o norte do país, onde teve forte contato com as comunidades e se interessou pelo manejo do pirarucu.

"O tema me interessou e fiz doutorado para entender o impacto social, econômico e ecológico no manejo do peixe. É uma espécie fantástica, é o maior peixe de água do mundo que pode alimentar até três ou quatro famílias", diz.

A grande exploração do peixe no século passado, segundo o profissional, afetou a quantidade do pirarucu. Na tentativa de reverter a situação, as comunidades em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá passaram a proteger o território e até fazer a contagem dos peixes.

"Foram montadas casas de madeira na beira do rio e uma vez por ano é feita a contagem. O pirarucu evoluiu em uma região com pouco oxigênio e, então, ele precisa ir até a superfície para respirar. Neste momento é feita a contagem."

A estratégia, conforme o biólogo, apresentou resultados satisfatórios com a reprodução rápida da espécie.

"Há uma cota para abate e que não interfere na quantidade de peixe. É como se fosse uma poupança no banco que pode ser acessada todo ano", explica.

  Ecossistema

 

Além de recuperar a população de pirarucu perdida, a iniciativa surtiu efeito na vida de outros animais que compartilham do mesmo espaço do peixe.

"Houve a contribuição para a conservação de outras espécies, como tartarugas, ariranhas e até jacarés. Todo o ecossistema é beneficiado", detalha Silva.

A manutenção do pirarucu também garantiu a base da renda de cerca de 60 comunidades com 1200 pessoas.

"O prêmio é em cima de um projeto e queremos aplicar em todo a extensão do rio. Meu papel é mais para integrar e pretendemos ajudar comunidades negligenciadas."

Por Carlos Dias, G1 Sorocaba e Jundiaí